Palavras de Ordem!

 

 

"O mensalão nunca existiu! A Rose não tinha passaporte especial!"

Luiz Inácio da Silva

"Uma mentira contada mil vezes torna-se uma verdade"

Joseph Goebbels 

 

O

 emprego de rótulos e estereótipos é muito útil na imbecilização coletiva. Eles entregam às mentes menos esclarecidas conclusões prontas, empacotadas para consumo imediato, evitando que essas mentes efetuem quaisquer análises que as poderiam invalidar. Por isso, PALAVRAS DE ORDEM são empregadas “ad extremum” em quaisquer aglomerados populares onde  haja, pelo menos, um pequeno número de fanáticos ou indivíduos pagos para disseminarem uma idéia e não haja abundância de influentes pensadores ou intelectuais. É isso o que estamos assistindo diuturnamente. Mas, de onde se originam essas palavras de ordem?

 

O Partido Comunista Soviético criou, em 1920, um Departamento de Agitação e Propaganda, que era parte do Secretariado do Comitê Central, que tinha por missão usar a arte como uma arma revolucionária num País degradado pela guerra e marcado pela iliteracia.

 

Essa arte foi empregada como ferramenta para a divulgação do Movimento Revolucionário e para a existência do partido. Basicamente, o ativismo político e social era conduzido por organizações de base, organizações de massa e movimentos populares com o intuito de agitar a sociedade, dar visibilidade ao movimento, aos conflitos entre trabalhadores, sociedade em geral e o governo.

 

Com essa propaganda e agitação coletiva, o movimento criava um ambiente de falta de prestígio e credibilidade ao governo estabelecido, permitindo o incremento do clima revolucionário. Para isso, utilizavam a agitação, a propaganda de fatos, as manifestações populares (demonstrações públicas, passeatas, comícios, greves, eventos artísticos, etc.) e eventualmente, alguns mais radicais, efetuavam atentados terroristas ou sabotagens.

 

Lênin trouxe para o movimento político uma guerra ideológica, onde uma das armas é a propaganda, com o intuito de disseminar revelações políticas, verdadeiras ou não, e criar PALAVRAS DE ORDEM para unir a sociedade em prol de uma causa. Essas palavras necessitam, antes de serem adotadas, serem também validadas por uma campanha prévia, baseada, preferencialmente, em fatos convenientemente e anteriormente explorados pela mídia. Tão logo as versões convenientemente adaptadas ou meias verdades tenham sido enfatizadas, elas são sintetizadas em simples palavras que possam exprimir a propaganda anterior de modo sucinto. A sua repetição constante gera uma aura de veracidade, pois, como dizia, Joseph Goebbels, Ministro da Propaganda de Hitler: “Uma Mentira contada mil vezes, torna-se uma verdade”, (por exemplo – o lula não sabia de nada...).

 

Extremos existem, mas não são normais. A imensa maioria dos cidadãos pertence ao centro. Isso, porque a lógica do comportamento humano não é a revolta, mas a paz de espírito buscada por todos. É claro que, em alguns, momentos, todos nós já fomos extremistas, principalmente, quando nossas crenças mais fervorosas são questionadas e nos deixamos inocular com o vírus do fanatismo por elas. Esse é o caso das altercações causadas pelos torcedores de futebol, que já causaram tantas mortes por motivos fúteis e incompreensíveis, cuja letalidade é igual à de uma guerra não declarada entre duas pessoas ignorantes dos resultados dos fanatismos. Os homicídios cometidos pela chamada “defesa da honra” ou pelo ciúme se enquadram nesse rol de sandices que sempre estiveram presentes nas sociedades ao longo dos tempos.

 

As palavras de ordem surgem para sustentar o poder de partidos políticos (ou do partido único nos regimes comunistas). Elas são uma espécie de lavagem cerebral irresistível às pessoas simples, pois sintetizam conclusões ao gosto popular sem exigirem pesquisas aprofundadas ou estudo para que sejam produzidas. Elas são geradas por meio de um cenário insistentemente preparado, ao gosto de Goebbels, pela mídia. Esse cenário é pintado com as cores sinistras das meias verdades que somente podem ser suprimidas por quem seja capaz de lhes acrescentar as metades suprimidas.

 

É o caso do marido que se julga traído pela mulher ao contemplar uma foto dela, abraçando um homem na saída de um motel... Meia verdade! Caso ele soubesse que, minutos antes, aquele homem havia sido atropelado diante do motel e que sua esposa, estando lá sozinha, resolveu auxiliá-lo, pedindo socorro ao gerente do motel, única pessoa presente além dela, e que ela havia chamado um táxi para que ele fosse para o hospital, e que, quando o táxi chegou, ela saiu do motel amparando-o por causa de seus ferimentos... Bem... tudo seria completamente diferente.

Esse é o poder sinistro das meias verdades. Isso, porque elas são de fato verdades, só que incompletas e conducentes a falsas conclusões. Hoje, elas dominam o cenário político brasileiro. Todo cuidado é pouco para quem não é diplomado em Ciência Política!

 

Por exemplo: Tortura – Repressão - Anos de chumbo e pronto! Um período de vinte e um anos foi sintetizado de forma pejorativa contra os únicos governos nos quais os presidentes morriam pobres! Essas palavras fazem com que a maioria da população que não conhece História (principalmente a história do Brasil do século XX, que, em meu tempo de escola pública, nunca era estudada por razões políticas, com a desculpa de que “não houve tempo para isso”, já que era o último tema a ser estudado e o ano letivo sempre acabava antes) esqueça as grandes realizações daqueles governos e recordem apenas os seus erros, como se houvesse algum regime político que não tenha cometido erros...

 

Para deslavar os cérebros dos que caíram nesta armadilha, vamos meditar sobre essas palavras de ordem:

  

"Tortura"

 

Basta relembrarmos alguns casos de tortura convenientemente esquecidos pela mídia por razões políticas, é claro, para entendermos o poder das palavras de ordem dos que desejam rotular os militares como torturadores por terem sido por eles derrotados, já que esta prática condenável sempre existiu em nossos governos e em outros. Por exemplo, a tortura praticada pelo Catolicismo por meio da Santa Inquisição responde por cerca de nove milhões de mortes sob as mais angustiantes torturas! Stalin, o astro do comunismo, torturou seu povo causando cerca de vinte milhões de mortes! Já Mao, na China, matou cerca de sessenta e cinco milhões! O ditador Fidel, cerca de dezessete mil cubanos naquela pequena ilha! Pol Pot exterminou, sob as terríveis torturas do Khmer Vermelho, a metade da população, executada em sua maior parte com picaretas para economizar  balas! Participei de um curso de Resolução de Conflitos Internacionais, ministrado pelo Instituto da Paz, em Washington, D.C., juntamente com um grupo de políticos, entre os quais estava o, então, primeiro ministro do Camboja.  Ele ainda tinha problemas psíquicos ao recordar aquele período. Suas narrativas, até hoje, não saem da minha mente,  principalmente, a história do descarnadura de um bebê de dois meses de idade em frente a seus pais amarrados! Viva a ditadura do proletariado!??? Ninguém condena publicamente essas torturas...

 

Todavia, a lavagem cerebral antiamericana produzida pela mídia (por incrível que possa parecer – por Hollywood!), que domina grande parte de nossas Universidades, faz com que os católicos não critiquem sua fé, os socialistas continuem fanáticos pelo socialismo assassino e a ditadura cubana seja elogiada por muitos, apesar de ter matado quarenta e duas vezes mais seres humanos do que os governos da contra-revolução de 64! Sendo que lá, foram fuzilados milhares de inocentes seres humanos, condenados à morte por pensarem diferentemente dos revoltosos ou por tentarem escapar da Ilha Prisão e aqui, morreram menos de quatrocentos guerrilheiros ou simpatizantes, a grande maioria em combates, por desejarem estabelecer outra ditadura comunista em nosso solo pátrio. O caso do assassino che guevara revela como é possível lavar as mentes das pessoas ignorantes dos fatos. As palavras abaixo, texto do economista Rodrigo Constantino, desmascaram esse indivíduo que chegou a ser comparado a Jesus Cristo por alguns pobres de espírito!

 

“Aqueles que conseguiram fugir do inferno cubano e não precisam mais temer a represália do regime, relatam fatos impressionantes sobre a frieza de Che. Foram centenas de execuções assinadas em poucos meses, e Che gostava de assisti-las de sua janela. Em algumas ele pessoalmente puxou o gatilho. Ao que tudo indica, Che parecia deleitar-se com a carnificina. Até mulheres grávidas foram executadas no paredão comandado por Che. Nada disso consta nas biografias escritas por aqueles que utilizam o próprio Fidel Castro como fonte. Algo como falar de Hitler usando apenas os relatos de Goebbels. A ignorância acerca destes fatos explica parte da idolatria a Che Guevara. Mas, como lembra Fontova, “engodo e muita fantasia também o explicam, tudo alimentado de um antiamericanismo implícito ou explícito”. Che, assim como Fidel, desafiou o “império” ianque, e isso basta para ser reverenciado por idiotas úteis da esquerda. Que ele tenha sido uma máquina assassina, isso é um detalhe insignificante para alguns.”

O pior é que há um paradoxo nessas afirmações, pois foram os próprios norte-americanos que contribuíram para a esquerdização da América Latina, para defenderem seus interesses!

 

(http://www.polestrare.org/guerradagua.htm).

 

A tortura sempre existiu e ainda existe no Brasil. Basta pensarmos em Celso Daniel e em Amarildo e em muitas cenas que aparecem nos jornais televisados. A tortura que é condenada, entretanto, é a que teria ocorrido no período em que os presidentes morriam pobres... Por exemplo, o maior torturador brasileiro, Filinto Muller, não é sequer mencionado, pois ele era chefe da polícia política de Getúlio Vargas, ícone dos comunistas brasileiros. Mario Lago, comunista de carteirinha, sempre recomendou aos terroristas que alegassem terem sido torturados, pois isto invalidaria suas confissões perante a Justiça... Um exemplo recente disso foi a confissão da companheira de cela de dilma roussef de que jamais sofreram um arranhão nos anos em que ficaram presas por seus crimes hediondos...

 

Foi a brandura dos governos militares uma das causas da nossa desgraça, pois a grande maioria dos que desejavam instaurar aqui uma ditadura do proletariado nos mesmos moldes da URSS, (onde os membros do partido comunista viviam na mais deslumbrante riqueza, enquanto o povo era exterminado caso reagisse - parecido com o PT) sobreviveu para nos espoliar como o fazem agora. Chegaram ao cúmulo de torturarem e assassinarem Celso Daniel, que seria o ministro da economia de lula e deveria ter cumprido a “ruptura necessária do PT”, segundo seu programa de governo no ano 2001 (auditoria da dívida externa, para os que não leram aquele programa fictício).

Além disso, seus familiares tiveram que fugir do país para não serem mortos como o foram todos os que testemunharam aquele crime, até mesmo o coveiro!

Todos os envolvidos no esclarecimento do caso, considerado crime comum, são parentes ou amigos de lula ou estão ligados, intimamente, à presidência da república...

  

"Anos de chumbo"

  

Empregando-se a velha matemática e o fato de que, segundo Raymond Aaron, “os números desmistificam tudo”:

 País

População média no período de exceção considerado

Número de mortos pela repressão

Período de exceção considerado (em anos)

Relação Número de mortos, por ano, por milhão de habitantes

Camboja

5.500.000

±2.000.000

5

72.727,0

URSS

180.000.000

±20.000.000

67

1.587,0

China

800.000.000

±65.000.000

56

1.451,0

Cuba

5.000.000

±17.000

30*

113,0

Chile

9.000.000

±14.000

16

97,2

Argentina

27.000.000

±10.000

7

52,9

Brasil

 100.000.000

±232

21

0,11

* considerando-se apenas o período em que foram suportados financeiramente pela URSS. A ditadura do estelionatariado continua até nossos dias naquele país.

 

Ou seja, se você mencionar a expressão “anos de chumbo brasileiros” para um espanhol, por exemplo, ouvirá uma risada de escárnio tal o despropósito do que nela está embutido... Isso, sem considerar que, em 2010, o número de homicídios no Brasil foi cerca de 194, por ano, por milhão de habitantes... pior do que os assassinatos de Cuba!

 O quadro acima revela a incoerência da amizade de Lula e de Dirceu com alguém como Fidel Castro que comanda uma ditadura cerca de 686 vezes mais sanguinária do que o regime de democracia indireta do Brasil (onde a maior parte das mortes não ocorreram no “paredon”, mas sim em combates onde os patriotas que defendiam a democracia lamentaram cerca de duzentas mortes).

Fica claro que a expressão “anos de chumbo” é uma palavra de ordem que foi forjada nas mentes brasileiras pela lavagem cerebral de uma população quase alheia aos fatos políticos brasileiros, que dirá dos internacionais...

 

"Repressão"

 

Bem, esta palavra de ordem está sendo bastante prejudicada e tende a cair em desuso em face da repressão da polícia contra os vândalos infiltrados na multidão ordeira pelos políticos interessados em desviarem a atenção das reivindicações populares. Ela passou a não ser simpática ao público, pois uma imagem mais próxima foi inserida no sentimento coletivo. Agora repressão não lembra tanto os governos militares quanto as cenas quotidianas... No passado, os governos militares, de fato, usaram a repressão, só que contra criminosos. Foram reprimidos atos de terrorismo com o assassinato de inocentes, os assaltos a bancos com latrocínios, a guerrilha do Araguaia, os sequestros de pessoas e aviões, o assalto ao cofre do Ademar de Barros, bem... este não foi reprimido e a VAR Palmares da dulce maia, isto é, da dilma ainda deve à Comissão da Verdade o paradeiro desta grana (vinte milhões de dólares convertendo ao nosso câmbio)...

 

Ou seja, os que proferem esta palavra contra os que construíram esta Nação, provavelmente, pensam que não se deveria reprimir os crimes de sequestro, terrorismo, assaltos a bancos e a cargas, justiçamentos, assassinatos políticos etc.

 

Enfim, todos já sabem como funcionam as palavras de ordem. Pensem nelas antes de proferi-las!

 

Mas, apesar da lavagem cerebral, existe um histórico que mostra que a política funciona como um pêndulo que oscila de um lado para o outro. Sempre que atinge um extremo, ele inicia o percurso inverso, tendendo a voltar para o outro. Não há mal que sempre dure e ninguém consegue enganar a todos todo o tempo. O plano sinistro do PT de se eternizar no poder já começou a ser desmascarado pelo sofrimento do povo que, inocentemente, concedeu poder aos antigos criminosos anistiados pelos militares que, já há mais de duas décadas, o utilizam com suas meias verdades para se locupletarem do dinheiro público.

 

Hoje, grande número de criminosos ocupa o poder, impunemente, graças a terem infiltrado cúmplices em, praticamente, todos os setores do Estado. Mas, apesar de estarem tentando desviar a atenção do povo e efetuarem uma reforma política fajuta (para não mais saírem do poder, como na Venezuela) com seu plebiscito sub-reptício, é inevitável que o pêndulo político, cujo curso parece ter atingido o ápice da sem-vergonhice, inicie o seu percurso inverso, voltando à posição oposta, conforme soe ocorrer com todas as efervescências políticas. A História assim o revela...

 

Novas palavras de ordem estão surgindo.... mensalão, petrolão, lava-jato, bndesão etc...

Que venham logo essas efervescências! O povo merece respeito!

 

 

Carlos Hernán Tercero

 

© todos os artigos deste site podem ser reproduzidos desde que sejam citados o autor e a fonte.